Quais são as suas maiores preocupações na vida?

Sem dúvida a saúde, o bem-estar de entes próximos, a segurança financeira e a proteção patrimonial de sua família são uma delas. Assim sendo, se já faz um planejamento para proteger seus bens como um seguro de automóvel, por que não proteger também o futuro das pessoas que você mais se preocupa ou pessoas que dependam de você?

Imprevistos acontecem, e, muitos deles apresentam consequências graves e de enorme impacto econômico na vida de pessoas próximas reduzindo consideravelmente os recursos mensais disponíveis ou, em alguns casos, uma provisão e/ou poupança feita ao longo de sua vida.

É por este motivo que precisamos gerenciar o risco para minimizar tais consequências com a finalidade de proporcionar tranquilidade e segurança para nossa família no futuro, e uma das maneiras mais utilizadas hoje em dia é o seguro de vida já que além da indenização em casos de falecimento, muitos deles também oferecem coberturas complementares tais como: doenças graves, invalidez total ou parcial por acidente, despesas médicas e hospitalares.

Culturalmente, a utilização do seguro como ferramenta de gerenciamento de risco no Brasil ainda não é tão popular quanto em outros países tais como nos Estados Unidos, Japão e Europa – embora tenha crescido de forma exponencial nos últimos anos. A principal razão para esse crescimento é que o seguro de vida é uma das maneiras mais simples e menos burocráticas para planejar a segurança financeira sua e de sua família, já que ao contratar uma apólice, poderá determinar não só o valor do capital segurado como também escolher os beneficiários distribuindo assim o valor do capital segurado da maneira que julgar necessário garantindo rapidez e agilidade no pagamento – considerando que esse produto não entra em inventário.

Abaixo cito algumas das principais vantagens do seguro de vida:

  • Gerenciamento de risco: Diante de inúmeros fatores externos, é imprescindível o gerenciamento de possíveis danos através de produtos que atendam suas necessidades tais como um seguro de automóvel e/ou residencial para gerenciamento, por exemplo, de gastos não planejados. Evitar um risco, reduzir ou assumir, por si só já é uma maneira de gerencia-lo, e a partir do momento em que decidimos assumi-lo, o mesmo poderá ser transferido a uma seguradora através de uma apólice de seguro. Através do seguro de vida é possível fazer o gerenciamento de risco para doenças graves, renda hospitalar, inventário, proteção patrimonial e financeira para dependentes.
  • Proteção patrimonial: O seguro de vida também pode ser usado como uma ferramenta para proteger o patrimônio adquirido ao longo de uma vida, já que, em muitos casos, uma fatalidade pode por exemplo acarretar em uma morte financeira da família, fazendo com que o patrimônio seja parcialmente perdido objetivando liquidez financeira para a utilização de recursos.
  • Proteção financeira passa os dependentes – Se possui dependentes financeiros, o seguro poderá ser utilizado de modo a evitar maiores transtornos, sanando toda ou parte da necessidade de recursos necessários para a manutenção financeira de tais dependentes.
  • Agilidade no recebimento da indenização: A partir da notificação e entrega da documentação necessária a seguradora para pagamento do sinistro, a mesma possui até 30 dias para efetuar a indenização – prazo regulamentado pela Susep.
  •  Planejamento sucessório: Além do ITCMD, um processo sucessório envolve honorários advocatícios, documentação e cartório, podendo atingir até 18% de acordo com cada estado brasileiro. Considerando a mesma alíquota em outros países chegando até a 50%, não podemos descartar no curto/médio-prazo um reajuste desse imposto em nosso país, já que atualmente a análise sobre o tema proposto encontra-se em andamento na câmara e no senado. Nesse caso, o seguro de vida pode ser usado de modo a garantir o planejamento sucessório na família em sua totalidade com a liquidez financeira para arcar com os custos citados acima sem a necessidade de um processo mais oneroso e lento pela falta de recursos imediatos equivalentes ao percentual do patrimônio total.
  • Sucessão empresarial: Em caso de falecimento de um sócio, por exemplo, a participação na empresa deverá seguir a legítima (exceto em casos tratados antecipadamente no estatuto ou contrato social no momento da constituição da empresa), ou seja, a participação societária de um único sócio será de direito de seus filhos e/ou cônjuge, prejudicando em muitos casos o andamento do processo bem como decisões legais referentes a empresa. O seguro de vida nesse caso feito em nome de cada um dos sócios tendo como beneficiários os sócios restantes poderão mitigar o risco de gerenciamento da mesma já que a apólice teria como principal função absorver a participação diluída entre os herdeiros distribuindo-a entre os sócios restantes e beneficiando financeiramente a família.

Hoje no mercado há uma variedade de seguros de vida personalizados e personalizáveis que buscam atender as necessidades de cada um para que possam aproveitar cada momento sem se preocupar com a continuidade dos seus sonhos e com a certeza de que no futuro os projetos feitos em vida em sua maior parte envolvendo dependentes serão continuados ainda que o principal provedor de recursos financeiros na família não esteja mais presente ou não possa mais prover de tais recursos.

Entre os diversos produtos e estratégias com seguro de vida, é possível elaborar um plano justo que lhe ofereça proteção e tranquilidade. Para saber mais sobre os elementos do seguro de vida, contate um assessor de investimentos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s